Até mais ver: A Carne é Fraca

segunda-feira, fevereiro 25, 2008

A Carne é Fraca

Meus queridos,

Descreverei aqui o que achei do documentário A Carne é fraca, boa sorte para mim e para os corajosos leitores:

Esse documentário do instituto Nina Rosa (oyes, dessa vez não escrevi instituto Harpya harpia) trata sobre os malefícios de uma dieta baseada no consumo de carne.
É uma tradição nossa o consumo de carne, afinal o consumo de carne fez com que o homem desenvolve-se ao longo da história, porém hoje em dia, quando a maioria de nós leva uma vida sedenta, trabalha cada vez mais tempo sentado em frente de um computador, desconhece o beneficio de um trabalho brasal, essa tradição ainda é válida?
Nos tempos de nossos avós e bisavós a afirmação de que o consumo de carne é necessário pode ser válido, afinal trabalho brasal, nada de tevê, internet e afins...
Mas hoje, o consumo de carne é necessário?
No aspecto nutricional, o que muda de uma dieta vegetariana para uma dieta carnivora é o tempo que o alimento demora a ser digerido, pois a carne leva mais para ser digerido pelo estômago do que os vegetais.
Diferença una!! Pois, diferente do que muitos pensam, os vegetais possuem todos os nutrientes, proteínas, vitaminas, calorias e tuty mais que nós precisamos para viver. Neste mundo moderno não temos a necessidade de ingerir carne para viver.
Não meus queridos, aqui não prego para que todos nós viremos vege (apesar que seria muito bom à saúde humana e ambiental), apenas prego para que consumamos esse alimento de maneira inteligente, de maneira sustentável.
Apresento abaixo uma gama de razões para isso:

Razões de Saúde:
Por aconselhamento médico ou por auto-iniciativa, esta é uma motivação para muitas pessoas seguirem um regime vegetariano. Uma dieta vegetariana equilibrada é geralmente eficaz em equilibrar os níveis de colesterol, reduzir o risco de doenças cardio-vasculares e também evitar alguns tipos de Câncer, entre outras razões. Outro aspecto relevante bem demonstrado no documentário prende-se com a qualidade dos produtos animais que chegam ao mercado. Alguns animais criados para consumo humano são alimentados com uma quantidade significativa de hormônios de crescimento e antibióticos para resistirem às doenças, sendo a carne que chega à mesa, muitas vezes, de má qualidade. Por outro lado, a poluição dos mares e rios podem tornar a carne de peixe igualmente insegura. Um terceiro ponto, nas razões de saúde, são as recorrentes crises da indústria alimentar, como a das vacas loucas ou a da gripe aviária, que levam muitas pessoas a adotar uma dieta diferente. Quanto aos vegetais, frutas, verduras e legumes também há a preocupação com a infinidade de agrotóxicos, que podem ser tão prejudiciais à saúde quanto os hormônios empregados nos animais. Há que se ter muita higiene antes de preparar os alimentos, sejam eles quais forem, lembrando que os vegetais são uma fonte indispensável de vitaminas e de saúde.

Razões Ambientais:
A motivação aqui é racionalizar a utilização dos recursos naturais para a obtenção de alimentos. Um vegetariano reduz um elo da cadeia alimentar, tornando-a mais eficiente e, consequentemente, reduzindo o impacto ambiental da sua alimentação. Para produzir carne é necessário cultivar plantas, que alimentam o gado, que por sua vez irá alimentar o Homem. Durante o passo de alimentação do gado foram gastos recursos como a água, energia e tempo, que poderiam ter sido poupados se o Homem consumisse diretamente os vegetais. Exemplo: Para produzir 1 kg de carne bovina são gastos aproximadamente 1600 L de água, somente levando em consideração a água gasta desde o abate do animal até levar a carne ao frigorífico, se levarmos em conta a água que gastamos para regar as plantas quais alimentam os animais, a água que os animais bebem, esses números podem chegar até 15000 L de água.
“Sem contar a desertificação de pastos causada pelo sobrepastejo desses animais, o desmatamento de áreas para aumentar a área de pastos, os níveis de metano eliminados na atmosfera por esses animais...”
Voltando ao assunto, enquanto gasta-se em média 1600 L de água para produzir um quilo de carne, gasta-se de 300 a 600 litros para produzi o mesmo peso em vegetais.

Razões éticas:
Os animais são meus amigos e eu não como meus amigos.

Razões econômicas:
A base alimentar do vegetarianismo consiste em alimentos de um nível inferior da cadeia alimentar, os legumes, frutos e grãos, mais baratos do que a carne ou o peixe, quando de qualidades comparáveis.

Conclusão (Darei um de Ivan Lessa (BBC Brasil) e tentarei fazer uma conclusão):

O que tentei expor em todo esse texto sobre vege qu8ando quem vos escreve é um onívoro?
Conforme em algum lugar proferi, não quero impôr que todos nos transformemos em vegetarianos, o que quis demonstrar é quanto realmente custa 1 kilo de carne à saúde humana e à saúde do ambiente. Lembremos disso nas proximas vezes que estivermos consumindo.
Também podemos fazer um gancho e lembrarmos que a carne cada vez mais encontra-se acessível aos cidadãos do 3ºmundo, bom pois isso indica que o capital dessas populações aumenta (eu acho), no entanto mau pois indica que mais áreas tendem a serem desmatadas para a criação de animais, mais metano será eliminado na atmosfera por esses animais, contribuindo para o aquecimento global; mais casos de pessoas com cancer hão de surgir, mais áreas tendem à desertificação devido ao sobrepastejo desses animais e tudo tende à piora, depende da atitude de cada um de nós Homo sapiens. Então vos pergunto, quanto custa 1 quilo de carne? Em uma relaçãode custo x beneficio é válido?

Boa refeição a todos e até mais ver.

Palilo

PS: Aguardo críticas, sugestões e tuty mais
PPS: Fico devendo uma revisão gramatical, Virgulino encarrege-se de apontar os erros
PPPS: Minha cabeça ainda doi.
PPPPS: Usem sempre filtro solar.


Gosto de ser gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento, sei que posso ir além dele.

Paulo Freire
  • Facebook
  • Disqus
  • 4Blogger
comments powered by Disqus

4 Verdades

Virgulino disse... [responder]

Realmente há alguns erros gramaticais, lembre-me de reler o texto na sua presença para apontá-los. Considero os argumentos extremamente válidos e já há alguns anos penso em reduzir meu consumo, mas falta-me motivação para isso.

Até mais ver..
PS: Já disse e volto a repetir: cite as FONTES!!! Não plagiemos!!!

mr.Poneis disse... [responder]

É~, o meu consumo de carne sempre foi algo bem negligente (Nunca fui muito fã, embora não me basea-se em qualquer conceito ético ou mesmo ambiental para fazê-lo). Consumo vegetais regularmente mas de fato, sou mesmo um fanático por uma boa pasta e coca-cola.

Até mais ver
mr.poneis

Ps.: Conseguiu abrir o Dvd?
Ps².: Caso o mestre Palilo não se importe...
*Instituto Nina Rosa

*A Carne é Fraca — Trailer

Palilo disse... [responder]

Fontes?
O documentário "A carne é fraca";
Provavelmente alguns números de algum artigo do LTE: www.ceset.unicamp.br/lte ;
Outros números e dados quais deparei-me em miha carreira profissional.

PS: Não Poneis, conforme disse em algum lugar só o documentário a carne é fraca rodou, nada mais.

Até mais ver

Palilo

Letícia Machado disse... [responder]

Olha... eu sou estudante de biologia, e discordo plenamente deste documentário... acho o auge do radicalismo.
Gente, qq pessoa em sã consciência sabe q se todos decidíssemos virar vegetarianos, as nossas terras não suportariam a demanda por alimento... querido , o gado come pasto, quem come vegetais n come pasto, come alface, rúcula, tomate, brócolis e mais um monte de alimentos que necessitariam de uma quantidade imensa de hectares para plantar, e os impactos, pode ter certeza seriam maiores...

Agora concordo que o gado causa transtornos, mas pq se é criado em uso extensivo... sem controle

Grata

Letícia