Até mais ver: Tema semanal

segunda-feira, abril 07, 2008

Tema semanal

Esta semana teremos uma canção totalmente inédita como tema. Do primeiro disco da banda Bons Selvagens, que acaba de ser gravado, trago uma música de letra densa e sonoridade há algum tempo não vista no rock brasileiro, que passa por fase "emocore" e, na minha opinião, desinspirada. Com vocês...

Bons Selvagens - Das coisas que me assustam

... e eu vejo você tocar um céu, um céu impuro
E sorrir, e sorrir, e fingir ser feliz e dizer tudo bem a quem sempre te negou.

Você afirma ser zelo a opressão que me impõe
Só que eu descobri que eu tenho uma voz
Com a qual eu posso gritar:
Cuide da sua vida!

Iêe!
Eu não vou fechar os olhos e fingir não ver
Que ainda sou pisoteado por seu bel prazer.
Não aceito, não aceito
Que seu mundo estrague meus sonhos,
Oh, não...

Você diz que me vê, mas se nega a me ouvir
E prefere apoiar em quem sempre te arruinou.
Te vejo dar nomes belos a coisas horríveis,
Te vejo tão perto das coisas que me assustam.

Você vem perguntar por que foi que eu mudei,
Eu respondo “não sei, os meus medos são os mesmos, mas
Aprendi a enfrentar.
Todo mundo muda!”

Iêe!
Eu não vou fechar os olhos e fingir não ver
Que ainda sou pisoteado por seu bel prazer.
Não aceito, não aceito
Que seu mundo estrague meus sonhos.
Ninguém é brinquedo de ninguém!


Até mais ver..
PS: Gostaria de ver nos comentários algumas interpretações para essa letra. Alguém se habilita?
  • Facebook
  • Disqus
  • 2Blogger
comments powered by Disqus

2 Verdades

mr.Poneis disse... [responder]

As pessoas podem desejar qualquer coisa
Tanto felicidade quanto infelicidade
Mesmo que o resultado não seja bom, as pessoas têm a liberdade para desejar
E essa liberdade é uma coisa na qual ninguém pode interferir
– Ichihara Yuuko

Até mais ver
mr. poneis

Ps.: se você está lendo isso, finalmente consegui fazer login no blogger... ♪~

Palilo disse... [responder]

Habilito-me, então vamos à missão:

A priori, logicamente uma relação entre dois ou mais, onde um elemento dessa relação sempre foi subordinado, até descobrir que possui autonomia para para alterá-la, até mesmo eliminando-a. Ou nem mesmo descobrir que possui autonomia e sim criar coragem para segurar as rédeas da situação, voltando-se à meta inicial e comparando essa com a situação atual.

Até mais ver

Palilo