Até mais ver: Agosto 2012

sábado, agosto 25, 2012

Lewandowski diz não se pautar pela opinião pública ao absolver réus

O ministro Ricardo Lewandowski, revisor da Ação Penal 470, o mensalão, disse que já esperava as críticas em relação aos votos que proferiu na sessão da última quinta-feira. O revisor absolveu o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) de todos os crimes imputados pelo Ministério Público. O ministro falou sobre o assunto durante audiência pública no Superior Tribunal Federal (STF) sobre o uso de amianto, realizada nesta sexta-feira.
 
"Eu acho que o juiz não deve ter medo das críticas porque vota ou julga com sua consciência e de acordo com as leis. Não pode se pautar pela opinião pública", afirmou Lewandowski. O ministro também disse que já esperava ser criticado por divergir do relator Joaquim Barbosa, que condenou João Paulo e o grupo de Marcos Valério por corrupção e peculato. "As críticas, as incompreensões, isso faz parte do nosso trabalho. Mas eu tenho certeza de que o Brasil quer um Judiciário independente, um juiz que não tenha medo de pressões de qualquer espécie", disse o revisor.
Lewandowski negou qualquer desgaste com Barbosa e afirmou que os embates em relação a teses diferentes não afetam o campo pessoal. "Não é a nossa pessoa que está em jogo, o que está em jogo é o destino dos réus no caso da Ação Penal 470". Além dos votos divergentes, os ministros já discutiram sobre o formato do julgamento e sobre o direito de fazer apartes após o voto de um dos colegas.
O revisor disse ainda que a divergência é natural porque cada juiz tem uma visão particular do processo, e que o contraponto entre os votos do relator e do revisor ajudará os demais ministros. Ele também defendeu um julgamento mais célere, com a apresentação de votos mais resumidos e de versões escritas quando a linha de raciocínio for complexa.
 
O mensalão do PT
Em 2007, o STF aceitou denúncia contra os 40 suspeitos de envolvimento no suposto esquema denunciado em 2005 pelo então deputado federal Roberto Jefferson (PTB) e que ficou conhecido como mensalão. Segundo ele, parlamentares da base aliada recebiam pagamentos periódicos para votar de acordo com os interesses do governo Luiz Inácio Lula da Silva. Após o escândalo, o deputado federal José Dirceu deixou o cargo de chefe da Casa Civil e retornou à Câmara. Acabou sendo cassado pelos colegas e perdeu o direito de concorrer a cargos públicos até 2015.
No relatório da denúncia, a Procuradoria-Geral da República apontou como operadores do núcleo central do esquema José Dirceu, o ex-deputado e ex-presidente do PT José Genoino, o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares, e o ex- secretário-geral Silvio Pereira. Todos foram denunciados por formação de quadrilha. Dirceu, Genoino e Delúbio respondem ainda por corrupção ativa.
Em 2008, Sílvio Pereira assinou acordo com a Procuradoria-Geral da República para não ser mais processado no inquérito sobre o caso. Com isso, ele teria que fazer 750 horas de serviço comunitário em até três anos e deixou de ser um dos 40 réus. José Janene, ex-deputado do PP, morreu em 2010 e também deixou de figurar na denúncia.
O relator apontou também que o núcleo publicitário-financeiro do suposto esquema era composto pelo empresário Marcos Valério e seus sócios (Ramon Cardoso, Cristiano Paz e Rogério Tolentino), além das funcionárias da agência SMP&B Simone Vasconcelos e Geiza Dias. Eles respondem por pelo menos três crimes: formação de quadrilha, corrupção ativa e lavagem de dinheiro.
A então presidente do Banco Rural Kátia Rabello e os diretores José Roberto Salgado, Vinícius Samarane e Ayanna Tenório foram denunciados por formação de quadrilha, gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro. O publicitário Duda Mendonça e sua sócia, Zilmar Fernandes, respondem a ações penais por lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O ex-ministro da Secretaria de Comunicação (Secom) Luiz Gushiken é processado por peculato. O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato foi denunciado por peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
O ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha (PT-SP) responde a processo por peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A denúncia inclui ainda parlamentares do PP, PR (ex-PL), PTB e PMDB. Entre eles o próprio delator, Roberto Jefferson.
Em julho de 2011, a Procuradoria-Geral da República, nas alegações finais do processo, pediu que o STF condenasse 36 dos 38 réus restantes. Ficaram de fora o ex-ministro da Comunicação Social Luiz Gushiken e do irmão do ex-tesoureiro do Partido Liberal (PL) Jacinto Lamas, Antônio Lamas, ambos por falta de provas.
A ação penal começou a ser julgada em 2 de agosto de 2012. A primeira decisão tomada pelos ministros foi anular o processo contra o ex-empresário argentino Carlos Alberto Quaglia, acusado de utilizar a corretora Natimar para lavar dinheiro do mensalão. Durante três anos, o Supremo notificou os advogados errados de Quaglia e, por isso, o defensor público que representou o réu pediu a nulidade por cerceamento de defesa. Agora, ele vai responder na Justiça Federal de Santa Catarina, Estado onde mora. Assim, restaram 37 réus no processo.

fonte: Terra
 
Até mais ver
Paraquedas
 

Grande tempestade solar pode matar milhões em 2013, alerta relatório

 
Uma gigantesca liberação de partículas geomagnéticas vindas do Sol poderia destruir mais de 300 dos 2.100 transformadores de alta voltagem que são a espinha dorsal da rede elétrica dos EUA, segundo a Academia Nacional de Ciências americana. Cientistas estimam que, no pior cenário, milhões de pessoas poderiam acabar mortas.
O Sol está em um período de atividade intensa, conhecido como “máximo solar”, que deve atingir seu auge em 2013. Por isso, há um ímpeto por parte de um grupo de agências federais para buscar maneiras de preparar os EUA para uma grande tempestade solar nesse ano.
Especialistas dos EUA estimam em até 7% o risco de uma grande tempestade em 2013. Pode parecer pouco, mas os efeitos seriam tão amplos – semelhantes à colisão com um grande meteorito – que o fato tem atraído a atenção das autoridades.
Apagões isolados podem causar caos, como ocorreu em julho, na Índia, quando mais de 600 milhões de pessoas ficaram sem energia durante várias horas em dois dias consecutivos. Já um blecaute de longa duração, como o que poderia acontecer no caso de uma enorme tempestade solar, teria efeitos mais profundos e custosos.
Há discordâncias sobre o custo, mas especialistas do governo dos EUA e da iniciativa privada admitem que se trata de um problema complexo, que exige uma solução coordenada. Um relatório da Academia Nacional de Ciências estimou que cerca de 365 transformadores de alta voltagem no território continental dos EUA poderiam sofrer falhas ou danos permanentes, que exigiriam a substituição do equipamento.
A troca poderia levar mais de um ano, e o custo dos danos no primeiro ano após a tempestade poderia chegar a US$ 2 trilhões, disse o relatório. As áreas mais vulneráveis ficam no terço leste dos EUA, do meio-oeste à costa atlântica, e no noroeste do país.
A rede elétrica nacional foi construída ao longo de décadas para transportar a eletricidade ao preço mais baixo entre os locais de geração e consumo. Uma grande tempestade solar tem a capacidade de derrubar a rede, segundo o relatório dos cientistas.
De acordo com estimativas do relatório, mais de 130 milhões de pessoas nos EUA poderiam ser afetadas. Andres disse que no pior cenário a cifra de mortos poderia chegar a milhões.
Outros países também sentiriam o impacto se uma supertempestade solar atingisse seu sistema de energia, mas o dos EUA é tão amplo e interconectado que qualquer grande impacto teria resultados catastróficos no país.

 
Até mais ver
Paraquedas

PS: Mais uma para a coleção de "Fim do mundo"
PS2: Quem sabe agora alguém acerta.
PS3: Gostaria de agradecer os leitores do Até mais ver pela contribuição prestada a este blog, pelas cartas enviadas com tanto carinho e pelos votos no prêmio "Topblogs 2012" ao lado direito.
PS4: Também agradecer aos usuários do Facebook que curtem nossa página, já são quase 150! Ou mais quando você estiver lendo.
PS5: E você que quer ver seu conteúdo no blog é só enviar um e-mail para nós. pos-scriptum@hotmail.com

domingo, agosto 19, 2012

Marketing é tudo!


fonte: Facebook

Até mais ver
Paraquedas

PS: É uma boa idéia, vou aprender a consertar janelas.....
PS2: Seria ilegal?

segunda-feira, agosto 06, 2012

E você não fez nada de errado!




Post aleatório... AMV Aleatório... só pra lembrar que eu faço parte desta instituição... Não que alguém se importe...

Créditos: RoninHobbit visto no: SOSDAN Brasil música: “Groove is in the Heart” by Deee-lite

Até mais ver
mr.poneis

domingo, agosto 05, 2012

O jardim do sexo na Coréia




 fonte: Os bicho domina
Até mais ver
Paraquedas

PS: Por que alguém criaria um jardim assim?
PS2: Como é um pique-nique neste jardim?

Jurassic Park pode virar realidade? A conclusão será a mesma do fime.

Jurassic-Park-logo
Jurassic Park é um dos filmes mais famosos de todos os tempos, que conta a história de um multimilionário, que resolveu pegar o DNA de dinossauros e recria-los, colocando todos em um parque onde as pessoas podiam visita-los, algo parecido com um zoológico.

Tudo isso não passava de pura ficção, mas pode acabar virando realidade. Um bilionário, chamado Clive Palmer, pretende fazer exatamente o que aconteceu no filme, ele quer clonar dinossauros para a criação de um parque temático.
0,,34896515-EX,00
O rico doidão já está em tratativas com a equipe responsável pela clonagem da famosa ovelha Dolly para o desenvolvimento de uma técnica capaz de trazer os dinossauros de volta a vida, se utilizando do NDA dos mesmos.

O parque deve ser construído nas Austrália, terra natal de Clive, mas ainda não possui data de lançamento. Não é de hoje que esse rico tem ideias meio doidas, inclusive está planejando a construção de Titanic 2, uma réplica daquele que afundou muito anos atrás.

1993_jurassic_park_wallpaper_001
Será que esse doidão vai conseguir criar o Jurassic Park no mundo real? Vamos aguardar e ver!
fonte: Minilua

Até mais ver
Paraquedas

Pecado capital

fonte: Facebook

Até mais ver
Paraquedas